Tag Archive: danuza leão

Namorofobia (A Praga da década)

Não é Jabor, nem Danuza Leão

Colaboração da leitora Carol Ueber, que já cansou de avisar suas amigas da verdadeira autoria desse texto. Antes que Jabor comece a vociferar culpando, em sua clássica megalomania, ao plagiador desconhecido que, segundo ele, “copia seu estilo” para fabricar Arnaldos em série, explico, caro amigo, que isso raramente acontece. Geralmente o nome de Jabor, de Verissimo ou de Quintana vai ilustrar esses textos sem o menor critério. É só para enfiar um nome de peso para dar credibilidade a um texto roubado. É, roubado. A maior vítima, na maioria das vezes, é o autor, já que ele não tem os leitores cativos do escritor famosão, não terá seu trabalho reconhecido e ainda será acusado de plágio se tentar recuperar a autoria. No caso do texto abaixo, ele foi originalmente postado no falecido Blog Megeras Magérrimas, em 27/01/2004, pela autora, Patrícia Antoniette.

O original econtra-se neste link .


Namorofobia
Patricia Antoniette

A praga da década são os namorofóbicos. Homens (e mulheres) estão cada vez mais arredios ao título de namorado, mesmo que, na prática, namorem.

Uma coisa muito estranha. Saem, fazem sexo, vão ao cinema, freqüentam as respectivas casas, tudo numa freqüência de namorados, mas não admitem. Tem alguns que até têm o cuidado de quebrar a constância só para não criar jurisprudência, como se diria em juridiquês. Podem sair várias vezes numa semana, mas aí tem que dar um intervalo regulamentar, que é para não parecer namoro.

– É tua namorada?
– Não, a gente tá ficando.

Ficando aonde, cara pálida?

Negam o namoro até a morte, como se namoro fosse casamento, como se o título fizesse o monge, como se namorar fosse outorgar um título de propriedade. Devem temer que ao chamar de namorada(o) a criatura se transforme numa dominadora sádica, que vai arrastar a presa para o covil, fazer enxoval, comprar alianças, apresentar para a parentada toda e falar de casamento – não vai. Não a menos que seja um(a) psicopata. Mais pata que psico.

Namorar é leve, é bom, é gostoso. Se interessar pelo outro e ligar pra ver se está tudo bem pode não ser cobrança, pode ser saudade, vontade de estar junto, de dividir.

A coisa é tão grave e levada a extremos que pode tudo, menos chamar de namorado. Pode viajar junto, dormir junto, até ir ao supermercado junto (há meses!), mas não se pode pronunciar a palavra macabra: NAMORO.

Antes, o problema era outro: CASAMENTO. Ui. Vá de retro! Cruz credo! Desafasta.
Agora é o namoro, que deveria ser o test drive, a experiência, com toda a leveza do mundo. Daqui a pouco, o problema vai ser qualquer tipo de relacionamento que possa durar mais que uma noite e significar um envolvimento maior que saber o nome.

Do que o medo? Da responsabilidade? Da cobrança? De gostar? Sempre que a gente se envolve com alguém tem que ter cuidado. Não é porque “a gente tá ficando” que não se deve respeito, carinho, cuidado. Não é porque “a gente tá ficando” que você vai para cama num dia e no outro finge que não conhece e isso não dói ou não é filhadaputice. Não é porque “a gente tá ficando” que o outro passa ser mais um número no rol das experiências sexuais – e só.

Ou é?

Tô ficando velha?

Paciência. Comigo, só namorando.


——————


Uma das versões alteradas



A Praga da Década

A praga da década são os namorofóbicos. Homens e mulheres estão cada vez mais arredios a título de namorado, mesmo que, na prática, namorem. Uma coisa muito estranha.

Saem, fazem sexo, vão ao cinema, freqüentam as respectivas casas, tudo numa freqüência de namorados, mas não admitem. Têm alguns que até têm o cuidado de quebrar a constância só para não criar jurisprudência, como se diria em juridiquês. Podem sair várias vezes numa semana, mas aí tem que dar uns intervalos regulamentares, que é para não parecer namoro.

É tua namorada? – Não, a gente tá ficando. Ficando aonde, cara pálida?

Negam o namoro até a morte, como se namoro fosse casamento, como se o título fizesse o monge, como se namorar fosse outorgar um título de propriedade. Devem temer que ao chamar de namorada(o) a criatura se transforme numa dominadora sádica, que vai arrastar a presa para o covil, fazer enxoval, comprar alianças, apresentar para a parentada toda e falar de casamento. – Não vai. Não a menos que seja um(a) psicopata. Mais pata que psico. Namorar é leve, é bom, é gostoso. Se interessar pelo outro e ligar para ver se está tudo bem pode não ser cobrança, pode ser SAUDADE, vontade de estar junto, de dividir.

A coisa é tão grave e levada a extremos que pode tudo, menos chamar de namorado. Pode viajar junto, dormir junto, até ir ao supermercado junto (há

meses!), mas não se pode pronunciar a palavra macabra: NAMORO. Antes, o problema era outro: CASAMENTO. Uiii. Vá de retro! Cruz credo! Desafasta.

Agora é o namoro, que deveria ser o test drive, a experiência, com toda a leveza do mundo. Daqui a pouco, o problema vai ser qualquer tipo de relacionamento que possa durar mais que uma noite e significar um envolvimento maior que saber o nome. Do que o medo? Da responsabilidade? Da cobrança? De gostar? Sempre que a gente se envolve com alguém tem que ter cuidado. Não é porque “a gente tá ficando” que não se deve respeito, carinho, cuidado…

Não é porque “a gente tá ficando” que você vai para cama num dia e no outro finge que não conhece e isso não dói ? Não é porque “a gente ta ficando” que o outro passa a ser mais um número no rol das experiências sexuais – e só.

Ou é? Tô ficando velho(a)? Paciência. Vamos NAMORAR em toda a sua essência

Curtir, cuidar, respeitar… Se preocupar, tá junto, conhecer o outro.

Vocês “ficantes” estão perdendo o que existe de mais bonito e gostoso num relacionamento num Namoro que é a cumplicidade… A magia, o encanto, a

conquista, o Amor!!!

Pensem nisso e Namorem pra valer.”

——–

Argh!! Se tem uma coisa que eu detesto nessa Entidade Alteradora de textos é essa mania de colocar reticências e exclamações em tudo, imaginando que assim dá maior ênfase, profundidade ou o que quer que seja ao texto. E a capacidade impressionante que ela tem de transformar qualquer texto em algo totalmente piegas. E as liçõezinhas no final: “pensem nisso”. Me desculpem, mas a paciência com esse tipo de coisa chegou ao limite!